sábado, 1 de setembro de 2018

Será que sua vida é igual ao dos filmes adolescentes?


Eu estava aqui pensando sobre romances (com boa dose de comédia) adolescente que eu amo assistir. Esses filmes normalmente costumam iludir muito todas nós, meninas. Os mocinhos dos filmes de alguma forma sempre se apaixonam pelas garotas invisíveis, sempre tem a menina má da escola que faz a mocinha se sentir ainda mais invisível (ou a faz querer ser invisível), o mocinho sempre faz besteira e então volta pedindo desculpa com um discurso de suspirar. 

E, se você é como eu, com certeza sua mente já viajou muito, criando e recriando cenas, diálogos e ações.
Você já viveu muito os romances que assiste dentro da sua cabeça. 

Porque, infelizmente, é bem díficil essas coisas acontecerem conosco. Dificilmente o mocinho é tão legal quanto pensamos que é, dificilmente eles notarão as meninas invisíveis, dificilmente eles pedirão perdão depois de pisar na bola - e, na verdade, eles nem vão perceber que pisaram na bola. E o mais triste para mim é: nunca terá uma música de fundo incrível para dar clima a cada momento incrível - o primeiro contato visual, primeiro toque físico, a primeira discussão, o primeiro beijo... 

Assistir filmes românticos sempre fazem a gente se decepcionar um pouquinho com a vida real. Mas está tudo bem também, sabe? Porque de todo modo, a vida real é muito melhor porque ela é vivida por nós.

Mas eu estava aqui pensando porque eu sempre achei que estava muito longe de viver um romance adolescente digno de filmes da Netflix, com trilha sonora incrível e tudo que tem direito.

Mas a verdade é que às vezes nossa vida é exatamente um filme adolescente! 

Presta atenção nessas semelhanças desses filmes incríveis e veja se você não viveu alguma dessas situações em algum momento:


A dificuldade em falar que gostamos da pessoa

via GIPHY
Eu sempre fui meio Lara Jean na vida - e acho que por isso eu me irritei um tantinho com ela, assim como super me identifiquei. Ter coragem de contar para uma pessoa que gostamos dela é completamente assustador. E, assim como a Lara Jean, eu sempre consegui me expressar melhor através das palavras. O pior de tudo é sempre gostar das pessoas que sabemos que não deveríamos gostar: como Peter, o garoto mais popular e por quem a melhor amiga da Lara Jean era apaixonada; ou Josh, o namorado da irmã dela. 
 

Vale lembrar que, inclusive, Lara Jean gostava de Josh antes mesmo da sua irmã se interessar por ele. Mas por não saber como contar e tentar uma chance, acabou deixando passar e tudo virou aquela bola de neve que todos nós sabemos. Quem nunca passou por uma situação assim? É todo mundo já foi uma Lara Jean na vida - e se você ainda não foi, cuidado!! Você pode acabar sendo em algum momento. 

Se sentir ofuscada por suas amigas e se sentir invisível

Todo mundo sabe que ensino médio é composto por dois grupos: os populares e os invisíveis. E às vezes a gente pode acabar andando com pessoas que são populares, mas nos sentirmos invisíveis. Como a Bianca, em D.U.F.F. Nesse caso você vai se identificar da seguinte forma:
  • Todo mundo parece gostar muito mais de suas amigas do que de você;
  • Você sente que sempre é convidada para as outras mais por causa das suas amigas do que pelo fato de você mesma receber os convites;
  • Você não se sente feia, mas também não se acha a mais bonita do grupo; 
  • Você sente a vontade de mudar completamente para deixar de sentir invisível. 

 É algo muito difícil. Mas o mais legal é quando a gente aprende que nós somos as protagonistas de nossa própria vida e que não precisamos ser igual a ninguém para nos destacar. Todo mundo tem um brilho em alguma coisa e é só você parar de olhar para o que não é ou o que não sabe fazer, que você saberá brilhar por conta própria e ser feliz da forma que é.

Você não sabe lidar com sentimentos - e, na maioria das vezes, prefere fingir que não existem


Se você é o tipo de pessoa que:
  • Adora dar respostas sarcásticas; 
  • Não fala de sentimentos; 
  • Não quer gostar de ninguém; 
  • Tem dificuldade em fazer amigos; 
  • Morre de medo de ter o coração partido.

Parabéns (ou não...), você é Katharina de 10 Coisas que eu odeio em você. Essa é outra face da vida que podemos nos identificar com esse clássico romance adolescente: quando você tem pavor apenas de se imaginar apaixonada e faz de tudo para afastar as pessoas. Você adora dar respostas curtas e grossas, ironia é seu nome do meio e sarcasmo é apelido, mas na maioria das vezes você nem precisa dizer nada, só um olhar já pode transmitir tudo que você quer.

A pessoa que você é apaixonada mudou da água para o vinho e você não faz ideia do que aconteceu

Todo filme adolescente precisa ter aquela parte em que alguém faz uma coisa muito idiota. É a parte em que nos decepcionamos com nosso crush das telinhas. E na vida não é diferente. Um clássico é quando a pessoa que você é apaixonada simplesmente muda da água para o vinho e você não faz ideia do que está acontecendo, assim como o que aconteceu em Grease com Sandy e Danny.


É a parte mais horrível do filme - sofremos, torcemos, não entendemos nada e odiamos muito a pessoa que tá sendo idiota. Mas no final dá tudo certo, ou a pessoa se arrepende e percebe o quanto idiota ela tem sido ou então você dá a volta por cima e esquece isso. Na vida também é assim!

As novas amizades em uma cidade nova

Muitas adolescentes já sofreram horrores porque foram obrigadas a mudar de cidade. Eu mesma fui uma delas. E esse é o máximo do clichê adolescente que rende sempre livros e filmes adolescentes cheios de dramas.



O mais legal é que, embora mudanças sejam sempre horríveis na adolescência, você pode descobrir a beleza de fazer amizades novas incríveis, entrar em um grupo de amigos completamente diferente do que imaginava e viver uma vida nova, diferente de tudo aquilo que pensou que viveria quando morava em outro lugar, assim como n'O Clube dos Incompreendidos. Você pode odiar no começo e achar que nunca fará novas amizades, mas você vai amar, vai sofrer e vai viver. E, no final de tudo, vai ser bom. 

Você nunca se entende com sua mãe

Sua mãe nunca entende; Você nunca entende sua mãe. Essa é o clássico dos filmes adolescentes, bem no estilo Sexta-Feira Muito Louca. As brigas, as confusões... O fato é que vocês são de gerações diferentes e veem a vida de um modo completamente diferente, obviamente.

Você tem um crush virtual

 Clássico de nossa geração, é claro. Quase toda adolescente já passou pela fase de se apaixonar por uma pessoa apenas conversando com ela pela internet, talvez você tenha conhecido em alguma comunidade do orkut (se você for das antigas), ou começou a trocar mensagens pelo Tumblr, ou respondeu comentário da pessoa no Facebook e puft! Você tem um crush virtual. Você acha que isso só acontece/aconteceu com você? Claro que não! Essa é justamente a história de Sam, em A Nova Cinderela. Às vezes a história de amor virtual dá certo, apesar de todas as inseguranças, às vezes serve de uma lição valiosa...




Por vezes achamos que nossa vida está longe de ser um conto de fadas. Mas a verdade é que o que nós vivemos é o que inspira as pessoas a escreverem essas histórias. Claro, há muitos outros elementos que ajudam a compor um drama que nos prenda na frente da Tv por horas. Nós não temos a música perfeita tocando, o figurino incrível e nem a iluminação que sempre favorece. Mas nós temos a principal história e o mais legal é que nós estamos vivendo ela.


Com quais personagens você mais se identificou e, se sua vida fosse um filme adolescente, quais desses filmes iriam ser o enredo? A minha vida já foi estilo Para Todos os Garotos que já Amei, O Clube dos Incompreendidos, A Nova Cinderela (nesse aqui foi beeeeem falho kkkk) e, SEM DÚVIDAS, Sexta-Feira Muito Louca!



24 comentários:

  1. Oi, ALÉXIA!!
    Jesus, eu acabei de ressussitar e descobri que estou em todos esses filmes! (exceto Clube dos Incompreendidos). Assim que li o título do post eu pensei "Óbvio que não porque senão eu já teria um boy lindo aqui do meu lado", mas tem coisas que eu me identifico e muito, principalmente com a Katharine e com esse negócio de ter um amor virtual, isso praticamente me define. Eu me irritei com a Lara Jean no filme porque ela fazia muita tempestade em copo d'agua. Teve um momento que ela perdeu o Peter e o Josh simplesmente porque não conseguia ouvir o que eles tinham a dizer e cara, pra conseguir o final feliz da gente, é preciso saber conversar com as pessoas.
    Maaaaas, fora isso, eu amei o post e tenho certeza que me identifico horrores com ele. Mas falando sério, minha vida é tipo As visões da Raven, é real oficial.
    Beijo
    http://www.suddenlythings.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aaaaaah, tô dizendo hahaha. É impossível a gente não se identificar. Às vezes nós colocamos os filmes em um patamar tão inalcançável que esquecemos que os enredos das histórias deles foram inspirados em vidas reais, como as nossas rs ☺ É muito legal ver isso, né? Fico feliz que você gostou do post ♥

      Excluir
  2. Oi, Lex!

    Hahhaha adoreeei o post! Eu logo ia dizer que minha vida não é nada como a dos filmes, mas que gostaria muito que fosse, e então você falou sobre os personagens que se identifica e percebi que na real eu me sinto parecida com muitos personagens do tipo. Só o final feliz com o mocinho que tá longe de chegar né hahaha

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hhahahaha, esse final é o que mais demora, mas relaxa que o desenvolvimento do filme é a melhor parte sempre ♥

      Excluir
  3. Uma coisa que posso dizer que minha vida parece uma comédia romântica, sem a parte da romântica HUIHAUISHUISHUIH
    Eu amei o post, bem estruturado e fala muito sobre, o que acredito, explique muito sobre os sentimentos de leitoras versus realidade.
    Eu tenho uma tattoo escrita 'hopeless romantic' que significa romantica incurável, eu amo amar, estar apaixonada e acreditar no amor. O problema é que depois que a pessoa conquista o que quer, parece que o desejo se esvai. D:

    O problema nem é que sonhamos que nossa vida seja um conto de fadas, a verdade é que criamos expectativas gigantes para coisas não realistas.
    A Bela, não a Fera | A Bela, não a Fera no Youtube

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahhaha a minha então... é cada mico digno de Hollywood!
      Fico feliz que você gostou do post, de verdade ♥ Deu um trabalhinho pensar nos filmes e "desenterrar" alguns da memória, mas fiquei feliz com o resultado e tá sendo muito bom ver tantos comentários positivos.

      Excluir
  4. Oii Lex! Que post genial, nunca tinha parado pra pensar nisso...

    Me identifiquei quase em todos os filmes, mas confesso que teve alguns que nao assisti. E o filme d.u.f.f ja assisti tantas vezes!! Alem de me identificar em algumas partes me deu varias sugestoes de filmes que achei super interessante. Obrigada por compartilhar.

    Beijos

    vitoriamartini.com ♡



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. DUFF é meu amorzão da vidaaa hahaha Eu não canso de ver esse filme. Fico feliz que consegui te divertir com o post e ainda contribui indicando filmes hehe espero que goste deles e se identifique com as melhores partes ♥

      Excluir
  5. Bem chateada aqui que as únicas coisas que envolveram filmes de comédia romântica adolescente na minha vida foram quedas desastrosas e ser invisível, as partes boas ficaram de fora hahaha :~
    (E MEU DEUS ADOREI O POST, achei muito criativo!)

    Limonada (antigo Novembro Inconstante)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHAHAHA COMIGO TAMBÉM! Olha tem parte que eu realmente preferia não ter vivido igual aos filmes heheheh

      Fico feliz DEMAAAIS em saber que gostou do post! ♥

      Excluir
  6. Oi Alexia, que post maravilhoso, vou até compartilhar na Fan Page do blog de tão incrível que eu achei. Bateu uma mega nostalgia ao ver alguns filmes antigos citados e sempre me achei muito DUFF rs Maravilhosa reflexão!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aaaaah, obrigada Mi! Eu fico feliz que você gostou do post! ♥ Eu também fiquei com muita vontade de assistir de novo os filmes enquanto escrevia hahaha

      Excluir
  7. Oi, Aléxia!
    Meu Deus, e não é que é verdade? Nunca tinha parado pra analisar dessa forma mas, de fato, todas nós já vivenciamos um pouquinho dos filmes de romance adolescente na vida (apesar de, na maioria das vezes, o final não seguir o roteiro que gostaríamos).
    Me identifico muito com "A Nova Cinderela" e "10 Coisas que Odeio em Você", mas confesso que também tenho um pouco da Lara Jean no meu DNA u_u kkkkkkk.

    Um super beijo e uma ótima semana! :* <3
    www.inconstantecontroversia.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahhaha acho que toda pessoa na adolescência já foi meio Lara Jean né hehehe, que legal, fico feliz que você curtiu!

      Excluir
  8. Oi, Lex!

    Assisti metade destes filmes... Preciso me atualizar!
    Realmente, todos muito gostosos de assistir... Leves, divertidos! E sempre nos identificamos com alguma parte...

    Abraços, Cris

    ResponderExcluir
  9. Oi, Lex!
    Quando vi o título da postagem pensei "magina, nunca, jamais". E conforme fui lendo, percebi que eu vivo praticamente em um filme hahahaha Já tive um crush da internet, escondo os sentimentos, tive muita dificuldade de falar pros crushs que gostava deles e me sinto totalmente DUFF. Ou seja, minha vida vai virar um filme em breve hahahaha
    Adorei a ideia do post! Parabéns.
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha eu sabia que o título ia causar kkkk
      Muito obrigada, fico feliz que gostou ♥

      Excluir
  10. Quando (raramente) me "apaixonava" por alguém na escola, eu dava uma de conquistadora e fazia o menino se apaixonar por mim (eu tinha paciência), então, pá! Ele é que vinha se declarar pra mim, então, eu nunca tive que passar pela experiência de falar para o menino que eu gostava dele. E o guri achava que tudo tido acontecido naturalmente. Não sei, acho que talvez eu fosse um pouco maldosa com relação a isso. Na verdade, olhando de fora agora, tô me achando bem manipuladora. E eu tinha crushs virtuais sim (alguns via msn), mas todos eles depois viraram ótimos amigos, muitos eu até conheci pessoalmente.
    Quanto à popularidade, meu grupo de amigas era esquisito, nós viviamos em cinco, eu, que era a "boazinha", a CDF, a evangélica, a paty e a popular que conhecia todo mundo, meu grupo era misturado e a gente se dava bem, mas nunca me senti ofuscada pelas minhas amigas.
    E nunca se entender com a mãe é o clássico da vida, AHUSHAUSHAU. Todo adolescente discute pelo menos uma vez por dia com os pais, kkkkk. Eu brigava MUITO!
    Comecei a ler o post pensando "noss, nunca que minha vida dá um filme adoslescente!" Mas eu acho que dá sim. Não sei em que filme eu me encaixaria, mas sei que seria algo romântico e bonito, por que meu marido gosta de mim desde criança, nós namoramos quando adolescentes, depois terminamos e ficamos anos sem ter contato. E no fim, decidimos voltar e agora estamos casados <3
    Enfim, amei o post!
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus hahahah Queria eu ter esse poder de conseguir conquistar as pessoas que eu gostava kkkk sofria que só!
      E que linda a sua história com seu marido, hahah. Com certeza dá a história de um filme romântico bem fofo.
      Que bom que você gostou do post e muito obrigada pelo comentário ♥

      Excluir
  11. Nossa, eu vivo imaginando! Não só de filme como também dos livros que ainda não viraram filmes, hahaha! Eu também me sinto muito Lara Jean nisso de não ter coragem de contar pra pessoa que gosto dela e ficar escondendo esse sentimento por puro medo de que tudo dê errado. Nossa, eu sou MUITO a Bianca de D.U.F.F. Pra você ter uma noção, o pessoal que brincava comigo na infância faz festas hoje em dia e nem lembram que eu existo, e a uns anos atrás eu cometi o erro de convidar todo mundo pra minha festa de aniversário, só decepção. Mas minhas amigas são sempre chamadas para as tais festas e o pior é quando eu falo pra elas que não fui convidada e ela arrumam um jeito e pedir pra pessoa me convidar --' nossa... péssimo, hahaha! Não saber lidar com sentimentos e fazer exatamente tudo que você listou aí, é muito eu! Principalmente em dar respostas sarcásticas e não falar de sentimentos. A minha primeira e única paixãozinha da vida me decepcionou, eu pensava que a pessoa era uma coisa e acreditava fielmente, depois descobri que a pessoa era um ser babaca... nossa, depois disso fico com medo de me apaixonar de novo (isso porque só aconteceu 1x) e aí volto a pensar e ser como Katharina mesmo. Eu ainda nunca me mudei de cidade, nem nunca me mudei de casa, então só conheço aquelas mesmas pessoas de sempre (o que é um saco!). Já tive vários crushs virtuais, de ficar ali "nossa, essa pessoa é maravilhosa" mas a pessoa é sempre de uma cidade diferente da minha então fica difícil né? Hahahaha! Bom, eu seria essa mistura de Lara Jean, Bianca, Katharina, o filme Grease e Sam. Hahahaha! Adorei o post!
    Beijos!

    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caraca, eu sofri demais também sendo DUFF! :( Era terrível e sempre me sentia invisível, mas hoje acabei não ligando mais para isso e montei meu grupinho de amigos em que ninguém é esquecido hahaha. E drama da adolescência é esse: as pessoas legais sempre moram em estados diferentes e longe para chuchu hahaha. Que bom que você gostou do post, fico feliz ♥

      Excluir
  12. Sem palavras para esse post, você arrasou demais! Incrível como a gente passa por todas essas fases e nem percebe, de todas acho que não passei por uma ou duas. Me identifiquei muito!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aaaaah, uma diva dessa me elogiando é para eu ficar toda boba né? Obrigada!! ♥

      Excluir

BlogsBrasil