segunda-feira, 14 de janeiro de 2019


Atypical é uma série original da Netflix que traz a história de Sam, um garoto de 18 anos que tem autismo. Desde que Sam tem quatro anos, quando foi diagnosticado, a dinâmica familiar sempre gira em torno dele. Com uma mãe superprotetora, uma irmã que o ama muito e um pai que não sabe como se conectar, a série vai acompanhar os dramas e mudanças de Sam com a chegada da vida adulta - e como sua família lida com tudo isso.

Quando eu comecei a ver a primeira temporada de Atypical, no ano passado, duvidei que fosse gostar muito da série. Mas foi só ver o primeiro episódio que eu já estava viciada. Terminei de uma vez só a primeira temporada, de 8 episódios, com 30 minutos cada. E esperei ansiosa pela segunda temporada, que saiu dia 7 de setembro.



A série começa, na primeira temporada, com Sam buscando uma namorada. O desejo foi incentivado por sua psicóloga, que achava que o rapaz já estava preparado para esse grande passo. Sam é um aluno inteligente, com excelente notas e um emprego estável - algo muito impressionante para uma pessoa diagnosticada dentro do espectro do autismo. Além disso, ele mantém uma amizade com Zahid, um rapaz do trabalho, que lhe dá conselhos amorosos um tanto duvidosos.

Esse desejo de Sam por ter um relacionamento amoroso acaba mudando muito a sua vida e ele começa a se envolver em algumas pequenas confusões, o que preocupa a sua mãe e começa a mudar um pouco da rotina da família.

Elsa é uma mãe preocupada e muito protetora e desde sempre levou toda a sua família nos ombros, tentando dar a atenção necessária a Sam, sem esquecer de sua filha mais nova de 15 anos, Casey. Enquanto isso ela tenta conectar toda a família e deixa-la unida, mesmo com todas as dificuldades que isso envolve.

Já Doug nunca conseguiu se conectar muito com Sam e nem consegue entender porque ele é do jeito que é. Embora ele tenha essa barreira, o amor de pai de Doug é muito forte, mas vemos isso mais com a relação dele com Casey.




A série é bastante emotiva e você consegue captar e entender os personagens com facilidade, mesmo eles sendo tão diferentes e suas motivações sendo, muitas vezes, confusas. O que os faz, na verdade, personagens reais. Embora o enredo gire em torno de Sam e do autismo, a série abre espaço para outros dramas: como Casey e o primeiro amor, os conflitos do casamento de Elsa e e Doug. E isso é algo muito interessante.

Mas o ponto principal da série mesmo está em poder compreender melhor como é uma pessoa autista e como é a dificuldade em lidar com algumas coisas, especialmente dentro da relação familiar. Eu nunca conheci alguém que é autista e nunca estudei sobre isso. Também nunca li nenhum livro e não lembro de ter visto um filme ou série sobre até então. Ou seja, Aypical foi meu primeiro contato com o tema. E foi muito bom!

É aquela série que nos desperta a empatia e nos faz ver o diferente com outros olhos. Por isso eu recomendo muito a série. A primeira temporada foi incrível e eu amei muito a segunda também, embora tenha demorado alguns episódios para conseguir me envolver mais. É uma série muito informativa, mas não é chata de forma nenhuma! Vale a pena assistir Atypical, sim!

sábado, 12 de janeiro de 2019

resenha de lílian e gregório e a segunda chance

Mônica e Enzo e Todos os Dias foi a minha primeira leitura do ano e uma das melhores. De imediato eu me apaixonei pela escrita da Denise Flaibam e por isso eu passei o ano todo ansiosa para a história de Lílian, a irmã mais velha de Mônica.
Título: Lílian e Gregório e a Segunda Chance
Autora: Denise Flaibam
Editora: Independente/Amazon
Páginas: 263
Ano: 2018
SKOOB / AMAZON

Nota: 5/5


Depois de um ano desastroso, Lílian está de volta à faculdade. Dessa vez, em um curso no qual ela realmente consegue se identificar, sem toda a pressão de ser a garota maravilha da família. Enquanto busca ajustar toda a sua vida de novo, Lílian tenta achar a forma certa de se aproximar novamente de Gregório. O rapaz reservado, mas com um enorme coração sensível por qual Lílian se apaixonou assim que havia entrado na faculdade, no ano anterior. 

O único problema é que Lílian sabe que destruiu o coração dele e agora não faz ideia do que pode ser feito para tentar reconstruir todo aquele amor que se quebrou em tantos pedaços. Mas ignorar a presença de Gregório pelos corredores da faculdade, nas aulas, nas festas e praticamente em qualquer lugar por onde ela vai, é impossível. E só resta a tentativa de fazer as coisas darem certo novamente ou pelo menos colocar de uma vez por todas um ponto final na história que ficou em aberto.

lílian e gregório e a segunda chance


Em Mônica e Enzo e Todos os Dias nós conhecemos um pouco de Lílian e apenas sabemos que ela fez algo terrível, que destruiu o coração de Gregório. Mas o livro termina com aquela interrogação e aquela vontade que dá no leitor de ler logo a história da Lílian. Mas, a Denise, faz uma coisa cruel, porém muito inteligente: capítulos intercalados entre passado e presente.

Dessa forma, vamos conhecendo um pouco da Lílian de agora, a menina que partiu o coração do garoto que amava e busca um jeito de reparar isso, e a Lílian de antes, a caloura na faculdade, que está conhecendo um rapaz gentil, discreto e lindo. E é maravilhoso pode acompanhar a narrativa assim. Ao mesmo tempo em que, a cada capítulo, você fica mais curiosa para saber o que pode ter acontecido entre os dois, o que ela pode ter feito para acabar com um amor que parecia tão forte.
 Quando você sabe que ama tanto alguém a ponto de sentir o seu coração partir? Isso acontece antes ou depois de perceber que já pode ser tarde demais?
Escrever essa resenha está sendo um pouco difícil porque eu não sei dizer o quanto eu gostei de Lílian. Ela é aquela personagem real: ela tenta acertar, tenta ser a melhor, mas acaba se perdendo, sempre fala alguma coisa errada, se desculpa e tenta começar de novo. Ela é fácil de se identificar. E isso é excelente porque rapidamente você consegue se apegar a ela. O Gregório é mais discreto, introspectivo, mas é aquele crush literário incrível.

lílian e gregório e a segunda chance


Uma diferença muito grande que senti nessa história em relação a de Mônica e Enzo foi em relação aos personagens secundários. Eles existem e tem funções, porém a história deles não é tão desenvolvida. O foco desse livro está todo no casal protagonista, dividido entre o momento em que eles se conhecem, se apaixonam e começam e se envolver, e entre o momento pós separação e a tensão que há entre eles.

Há também um pouco dos dramas familiares, mas em uma dose menor. Tem toda a questão da pressão que Lílian sente em ser a garota perfeita (antes) e agora o desejo dela de encontrar sua identidade, seu lugar no mundo, sem ter que estar o tempo todo sentindo o medo de não agradar ou não suprir as expectativas de sua família. E isso é um ponto fantástico do livro!

Corações se quebram por diversos motivos, e nem todos eles são grandes coisas. Às vezes você só diz a coisa errada na hora errada, e isso basta para causar um dano enorme.

A Denise Flaibam tem um poder na narrativa que em poucos minutos lendo o livro eu já era capaz de me sentir totalmente inserida na história. As descrições das cenas são incríveis para você conseguir deixar a imaginação fluir e, quando você menos espera, você se sente dentro da história, ali com aqueles personagens, vendo tudo que está acontecendo.

Eu confesso que por causa de todo o suspense eu imaginava que Lílian teria feito algo bem pior do que ela realmente fez. Mas, ainda assim, achei o motivo válido e que é compreensível quando se olha para o todo do livro e percebe tudo que estava acontecendo naquele momento na vida de Lílian. Então não me decepcionou. Pelo contrário, fiquei bem aliviada em saber que não era algo tão dramático em nível Colleen Hoover, rs.

O livro me envolveu completamente, do começo ao fim. Mas eu demorei demais para ler porque eu simplesmente não queria que ele acabasse. Sempre que ia ler Lílian e Gregório eu me sentia em um lugar seguro, era como se eles fossem meus amigos e eu queria muito poder rir, me emocionar, ficar aflita com eles. É uma leitura que vale muito a pena!

Compre Lílian e Gregório e a Segunda Chance:



quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Eu tenho uma péssima memória para lembrar todos os livros que li. Então, eu sei que não posso confiar em mim mesma para saber quando li algum livro ou, em alguns casos, até mesmo minha opinião completa sobre a obra. Por isso eu tive que aprender algumas formas diferentes de como organizar as leituras, de modo que eu sempre tenha acesso para saber o que li, quando li e o que achei.

Existem diversos sites, aplicativos e redes sociais que podem ajudar nisso. E hoje eu decidi contar um pouco sobre o que eu já testei e o que mais dá certo para mim quando o assunto é a melhor forma de como organizar as leituras. Em breve falarei sobre formas manuais: como organizar em cadernos, agendas e em bullet journal.

Minha rede social preferida para organizar as leituras 

De todos os modos de organizar leituras, a melhor forma para mim é através de redes sociais. Acho muito mais prático pesquisar logo o livro, adicionar na biblioteca e fazer um acompanhamento da leitura de forma digital. E existem alguns aplicativos e sites que podem te ajudar nisso. Porém, o que eu mais me adaptei foi o Skoob, que é a maior rede social do Brasil para leitores.

No Skoob é possível você adicionar os livros em:
  • Lidos; 
  • Lendo;
  • Quero ler;
  • Relendo;
  • Abandonados; 
  • Desejados; 
  • Tenho;
  • Favoritos; 
  • Emprestados; 
  • Troco. 
Na categoria de "lendo", você pode adicionar um histórico de leitura, fazendo comentários de acordo com a leitura e o site vai mostrando quantos % do livro você já leu. Essa é uma opção ótima especialmente para quem depois faz resenhas. Pois, assim, é possível você relembrar opiniões mais especificas que teve enquanto lia a história.

aplicativos para organizar as leituras

Outras funções interessantes


Além disso, no site há também a possibilidade de você fazer uma meta de leitura anual. E, conforme você vai lendo os livros da sua meta, ele vai apresentando algumas estatísticas interessantes, como a porcentagem de quantos livros da meta foram lidos e qual tem sido a sua velocidade anual de leitura em uma média de números de páginas lidos por dia.

No site/aplicativo você também consegue acompanhar grupos, adicionar pessoas, comentar nas atividades de outras pessoas (por exemplo, se alguém marcou que está lendo determinado livro e você quer conversar sobre o que a pessoa está achando do livro, há um espaço para comentários).

Você pode acompanhar o trabalho de editoras, ficando por dentro de lançamentos. E também há um espaço para quem é booktuber, podendo adicionar os vídeos do Youtube nesse espaço. É uma excelente forma de divulgação! Ou, então, uma forma de você acompanhar seus booktubers preferidos e, também, conhecer novos canais!

No Skoob, além de você organizar as leituras, você também consegue participar de sorteios que ocorrem com frequência. E também há um espaço para troca de livros. Ou seja, são muitas funções que vão além de organizar as leituras!



Usando o Trello para organizar as leituras

O Trello é um site muito conhecimento pelos freelancers e pode ser também muito útil para quem busca formas diferentes de organizar os livros. No Trello você trabalha com quadros, onde você pode fazer lista e adicionar nas listas, cartões.

Dentro de cada cartão, você pode usar várias funções:
  • adicionar imagens;
  • colocar descrição;
  • adicionar comentários; 
  • fazer checklist;
  • colocar etiquetas; 
  • estipular prazos.
Eu uso muito o Trello para meu trabalho como redatora freelancer, mas eu pensei em fazer um teste para mostrar a vocês algumas formas diferentes que podemos usar no site. E até me surpreendi em como realmente o Trello pode ser útil para a organização de leituras, metas e etc;

como organizar suas leituras no trello

Nesse exemplo, eu coloquei quadros para cada mês. Dessa forma, posso ter um controle visual muito bom de como foi o andamento das leituras. E, clicando no cartão, tenho acesso a informações adicionais.

como organizar suas leituras no trello


Outra forma que eu imaginei, foi de fazer as metas com um quadro. Por exemplo, eu tenho algumas metas literárias bem especificas para 2019. E, para me organizar, decidi criar listas para os meses. E, então, criar cartões para ter um controle maior sobre o que estou lendo. Além da lista mensal, criei uma geral com vários cartões, para cada tipo de meta.

Goodreads: Esse é um site/aplicativo muito famoso. Mas que, infelizmente, eu não consegui me adaptar nem um pouco. Nesse artigo do LaOliphant, você encontra um pouco de informações sobre como funciona o site e as vantagens. Vale a pena conhecer e

Você tem alguma dica de site ou aplicativo para organizar as leituras também? Compartilha aqui nos comentários!


Se inscreva na newsletter e receba conteúdo exclusivo!



terça-feira, 8 de janeiro de 2019

livros para ler em 2019

Oi, gente! 

Com a virada do ano eu sempre começo a fazer retrospectivas de como foi as minhas leituras do ano que passou e também aproveito para montar as novas metas literárias, uma delas é a de livros para ler em 2019. Então, se preparem para ver esse tipo de conteúdo nas próximas semanas. 

Eu decidi em 2019 tirar da minha estante os livros acumulados que eu comprei nos últimos dois anos e não li. Óbvio que há muitos livros que eu quero comprar, especialmente lançamentos do ano passado que acho que só eu não li. Porém, eu preciso tomar cuidado com isso. Não quero me tornar uma acumuladora e comprar livros apenas pelo impulso. Eu preciso ler aquilo que já tenho antes. 

Por isso, decidi fazer uma lista de 20 livros para ler em 2019 - 10 físicos, 10 do Kindle - para ler em 2019 sem falta! Se você tiver algum desses para ler também em 2019, me fala. Quem sabe não podemos fazer uma leitura coletiva? Seria bem legal!

10 Livros para ler em 2019 - Físicos

 Se os meus cálculos estiverem certos, eu tenho em torno de 30 livros aqui em casa que eu ainda não li e comprei pelo impulso. O lado bom é que eu comprei a maioria em sebos, por R$2 ou R$5. Mas ainda assim eu me sinto mal em ver tanto livro aqui sem ler. E, infelizmente, a maioria eu comprei sem pensar direito e, poucos dias depois de ter adquirido, eu percebi que não tinha nem interesse em ler. 
20 livros para ler em 2019

Alguns desses livros foi A promessa (de Richard Paul Evans), O soprador de vidro (de Marina Fiorato), Ouro (de Chris Clave) e alguns outros que não coloquei como meta de ler esse ano. Todos esses eu fiquei interessada quando vi nas prateleiras do sebo, mas quando trouxe para casa percebi que não estava tão animada assim para ler. Porém, quem sabe eles não podem me surpreender, né? 

Um amor de detetive (de Sarah Mason) eu ainda quero ler, mas confesso que estou esperando há alguns meses entrar no clima da história, sabe? E também estou com medo de ser um livro cheio de clichê de chick-lit... Vocês já leram? Se sim, me conta o que achou para eu ver se vou curtir também ou não :p

livros para ler em 2019
A última carta de amor (de Jojo Moyes), Miniaturista (de Jessie Burton) e Carolina se apaixona (de Frederico Moccia) foram livros que eu me interessei muito pela história e continuo curiosa para ler. Mas que eu estou morrendo de medo de serem leituras lentas e cansativas :(
A bicicleta azul (de Regina DeForges) e  As vinhas da ira (de John Steinbeck) são livros mais sérios, que trazem um contexto histórico mais pesado e que eu quero muito ler para conhecer. Mas fico esperando sempre o momento certo para poder aproveitar a leitura. Bom, esse momento PRECISA acontecer em 2019.

Por último, temos Twilight (de Stephenie Meyer). Sim, a versão em inglês! Quem me acompanha sabe que há muito tempo eu to querendo me arriscar em uma leitura em inglês. Nisso eu já comprei uns 8 livros em inglês que ainda não li. 
Mas resolvi começar com Crepúsculo, que é um livro mais fácil por eu já ter lido antes e me lembrar bastante da história. Ah, e eu já tenho uma versão em português, acredito que isso vai ajudar bastante. 

Se você tiver alguma dica também para ler em inglês, agradeço muuuito!

10 E-books Kindle para ler em 2019

Esse é o ano em que eu quero comprar um Kindle Paperwhite e também assinar o Kindle Unlimited. Eu inclusive já fiz até lista com vários e-books incríveis que estão disponíveis no catálogo do Kindle Unlimited. Mas, para isso, eu preciso urgentemente ler metade dos e-books que estão baixados (e tem 120 e-books). Então eu decidi fazer uma meta de 10 livros para ler em 2019 no Kindle.


Em todos os sentidos (de Camila Antunes) é um dos livros que eu mais quero ler! Sempre vejo comentários positivos e super me interesso pela história, mas nunca consegui realmente parar e ler! Espero ler logo nesse mês! Maior que tudo (de A.J. Ventura) é outro livro que está no meu Kindle há tempos e, na verdade, eu já tenho a trilogia completa. E estou até animada para ler logo! Outra autora que eu sempre vejo muitos comentários positivos sobre as histórias é a Diane Bergher e por isso eu quero muito ler Sempre foi você.
 
Acho que a Lycia Barros é a autora que mais está presente no meu app Kindle. Eu devo ter uns 5 e-books dela que ainda não li! E preciso mudar muito isso. Então, Nem Tão Tarde Assim é logo a primeira opção para ler. E fala sério, quem consegue ver a capa de Batida Perfeita (de April Kroes) e não sentir vontade de ler? Eu estou com esse livro no Kindle há um tempo, mas por ser meio grande acabei não tendo coragem para começar. 

dicas de livros para ler em 2019

 Teve uma vez que eu comecei a ler Falsas histórias de amor (de Gabriela Emídio), mas acabei largando nas primeiras páginas e eu nem lembro mais o motivo! Essa capa sempre me atraiu muito e a sinopse também. Paraísos Selvagens (de Camila Dornas) foi um livro que me interessei desde o lançamento, coloquei no Kindle, mas desde então está ali, esquecido. 

Amores natalinos é uma antologia com vários autores e eu queria muito ter lido em dezembro, mas, novamente, me esqueci que tinha o e-book. Vou deixar esse para ler quando chegar o final do ano e entrar no clima!

Depois das cinco (de Rossana Cantarelli) é aquele livro que me interessei muito pela capa! Mas acabei ainda não dando uma chance. Save the Date (de Natalia Oliveira) é uma história que eu vejo bastante resenha no Ig, mas nunca realmente cheguei a ler, embora esteja também no meu Kindle. 


São muitos livros para ler em 2019! Fora esses, ainda há uns 30/40 que eu quero muito ler também, mas que eu ainda não comprei. Você já leu algum desses livros? Se sim, então, por favor comenta aqui falando se curtiu ou não! Ah, não esquece a ideia também de fazer uma leitura coletiva, hein!




Se inscreva na newsletter e receba conteúdo exclusivo


sábado, 5 de janeiro de 2019

vinte garotos no verão resenha do livro

Título: Vinte Garotos no Verão
Autor:
Sarah Ockler
Editora:
Novo Conceito
Páginas:
288
Ano:
2014
SKOOB
| AMAZON

Desde os seus dez anos de idade, Anna é apaixonada pelo seu vizinho e melhor amigo-menino, Matt. Mas foi somente no seu aniversário de 15 anos que Matt realmente demonstrou sentir o mesmo. Então eles começaram a se ver em segredo, depois que todos iam dormir. 

Por duas semanas Anna desejava contar a Frankie, sua melhor amiga, sobre o que estava acontecendo, mas Matt a fez prometer que deixaria que ele contasse a sua irmã, quando eles viajassem para a Califórnia nas férias. O eles não imaginavam era que Matt morreria em um acidente de carro apenas um dia antes da viagem e Anna ficaria com esse grande segredo que não poderia ser revelado.

O segredo pesa ainda mais na consciência de Anna quando ela é chamada pelos pais de Frankie e Matt, um ano depois, a viajar com eles para a Califórnia. Frankie está uma menina totalmente diferente, fuma, se veste de forma provocante e quer chamar a atenção de todos os garotos. Enquanto Anna guarda em segredo tudo que aconteceu entre ela e Matt, sem ter o direito de sentir a dor da perda do seu primeiro amor, porque ninguém sabia que esse era o espaço que Matt ocupava em seu coração. 

Então, Frankie bola um plano de que ela e Anna devem conquistar vinte garotos no verão - e que Anna precisa perder a virgindade com um desses garotos. Mas Anna não está preparada para deixar que ninguém ocupe o lugar em seu coração que até então pertencia a Matt, e Frankie não faz ideia de tudo que aconteceu entre sua melhor amiga e seu irmão mais velho, um ano atrás, antes dele morrer. 

Dói demais pensar no assunto. Se eu beijasse outra pessoa, o encanto se perderia e minhas lembranças com Matt e tudo que o envolvia desapareceriam.
Vinte Garotos no Verão é uma história narrada de uma forma bem leve e fluida, mas falta ainda alguma coisa especial. A autora muitas vezes se prolongava em parágrafos sobre detalhes que eram desnecessários e isso me gerava uma ansiedade para pular essas partes e ir para a história realmente. Já em outros momentos eu senti falta de um relato mais aprofundado, especialmente quando se tratava de toda a questão do luto. Mas tudo isso é justificado porque esse foi o primeiro romance da Sarah.

A construção dos personagens também foi algo bastante mediano. A Frankie é completamente insuportável, do início ao fim. É notório que desde a morte do irmão ela tem buscado formas de chamar a atenção, mas isso não justifica em momento nenhum a forma como ela trata a melhor amiga, a insultando de uma forma passiva-agressiva por conta do fato de Anna ainda ser virgem e não querer se vestir e se comportar como ela.

Já a Anna é uma personagem que me deixa confusa. Em alguns momentos eu ficava irritada por conta da falta de personalidade dela, em deixar que a Frankie a humilhasse. Em outros, eu entendia. Frankie costumava ser uma amiga diferente antes, mas a morte de Matt mudou tudo. Além disso, Matt era quem costumava cuidar de Frankie e agora essa responsabilidade está nas mãos de Anna.



Eu senti falta um pouco de envolvimento dos pais de Frankie e Matt, mas eles foram praticamente personagens fantasmas, especialmente depois dos primeiros capítulos e apareciam apenas para quando as meninas precisavam contar alguma mentira para poder se encontrar as escondidas com os garotos. Então basicamente a história girou em torno de Frankie, Anna, os sentimentos relacionados a Matt e Sam, o garoto do verão que despertou o interesse em Anna.

Embora eu também tenha achado que isso poderia ter sido melhor desenvolvido toda a questão envolvendo o luto, foi um relato que me causou muita empatia. Eu desejei mais em sentir as dores da perda que os outros personagens sentia, como os pais de Matt e também da própria Frankie, como irmã dele. Mas foi com a Anna, a narrador, que eu realmente me emocionava e sofria.

O desejo dela em revelar aqueles sentimentos que guardava, sem poder compartilha-los com sua melhor amiga. O medo dela em fazer isso e estar quebrando a promessa que havia feito com Matt. Além de todo o drama que envolvia o fato dela se interessar por um novo garoto, mas não saber como lidar com o sentimento conflituoso de para onde Matt iria em seu coração a partir disso. Eu conseguia sentir tudo isso com a personagem e isso me motivou a sempre estar querendo ler mais, até terminar a história.

Eu nem sabia direito o que esperar do final, porque esse é aquele tipo de livro em que você sabe que o desenvolvimento, o "meio", é que é o mais interessante. E realmente foi. Mas por conta de todos esses pequenos problemas, o livro acabou se tornando bem mediano. Me emocionou, me tocou profundamente, me fez sentir de novo todos os dramas da adolescência, mas ainda assim sempre faltava algo: na narrativa, no desenvolvimento, na construção dos personagens.

É uma leitura despretensiosa, para aqueles momentos em que você quer ler algo para relaxar, mas que ainda assim te toque. Acredito que o motivo pelo qual eu consegui dar 3 estrelas foi especialmente porque eu fui ler realmente sem querer que fosse um livro fantástico.

dicas de livros

BlogsBrasil