domingo, 15 de julho de 2018

Preconceito literário, a necessidade de se sentir superior


Eu sou uma fiel defensora da leitura - para todas as pessoas, para todas as idades. E um dos meus argumentos para defender os benefícios da leitura é justamente porque é lendo que descobrimos mundo diferentes. E, olha, eu nem falo daqui de ficção e fantasia. Esses também, claro, podemos descobrir através das páginas dos livros. Mas ao me referir a esses 'mundos diferentes' eu falo da nossa realidade mesmo!

Nós, seres humanos, temos essa mania de acharmos que o mundo em que vivemos se resume em nossa bolha. Nós vivemos uma realidade própria, mas a verdade é que o mundo vai além disso. E é isso que eu acho fantástico na leitura: ela nos mostra outras realidades. 

Através da leitura nós podemos nos tornamos mais empáticos com problemas que não tivemos contato pessoal. A leitura tem a capacidade de nos mostrar que existe mais cores do que enxergamos naturalmente em nossa pequena bolha, que é apenas um pequeno fragmento de toda uma realidade muito maior, que vai além de nossa compreensão limitada.

A leitura é incrível porque nos mostra justamente como o mundo é diverso, complexo e plural. E é por isso que eu não consigo entender bem como ainda pode existir tanto preconceito literário. 

Eu vejo preconceito como uma visão muito limitada sobre determinado assunto. Preconceito, segundo o dicionário online, é "opinião ou pensamento acerca de algo ou de alguém, construída a partir de análises sem fundamento, conhecimento nem reflexão."

E isso sempre me faz pensar: como pessoas que leem tanto podem continuar tendo esse tipo de atitude? Os livros deveriam nos ajudar justamente nisso, certo? Nos ajudar a termos mais reflexão. Mais conhecimento. Mais análise antes de julgar e fundamentar opiniões. Claro, isso definitivamente não é culpa dos livros. Mas sim das próprias pessoas que cauterizam as suas mentes e impedem que a leitura possa muda-las (para melhor).
Quanto mais você participa de grupos de leitores, mais é comum ver preconceito, no entanto. Não me refiro à preconceitos quanto a gênero, cor, orientação sexual. Isso, claro, existe muito. Me refiro a um preconceito e uma necessidade se sentir superior o tempo inteiro. Os super-leitores e a sua necessidade constante de se sentirem superiores porque leem determinados livros ou porque não leem outros tipos de livros. E que acabam desmerecendo gêneros literários e, com isso, escritores que estão produzindo esse tipo de conteúdo também.


Recentemente compartilhei em alguns grupos uma postagem feita aqui no blog sobre os Livros Mais Lidos que estão no Skoob. A ideia era brincarmos, trocarmos ideias sobre os livros e compartilharmos nosso interesses.

Algumas pessoas sempre acabavam levando na competição, com uma necessidade de querer ser o super-leitor, aquele que lê mais. Mas ao entrar no link e ver livros mais populares (e modinhas, como eles mesmos descreverem nos comentários) acabaram fazendo comentários quase raivosos, sobre como não leram e nem fazem questão, sobre como a lista é fraca e vazia, como são leituras fúteis.

Na tentativa de se sentir leitores melhores, por não terem lidos aquelas obras, essas pessoas acabam ofendendo aqueles que leram - e amaram - os mesmos livros. Pior ainda, acabam desmerecendo o trabalho - muitas vezes de uma vida inteira - das pessoas que escreveram os livros. Tudo isso, apenas para se sentirem mais inteligentes e criteriosos, afinal eles não leram aqueles livros.

De fato, nem eu mesma gosto e tenho interesse por todos os livros da lista - e nem fui eu quem definir quais são os livros mais lidos, no fim das contas. Mas acredito que o fato de não gostarmos de um gênero não significa que ele é vazio, sem conteúdo, inútil para a reflexão. De modo algum! Tem muitos gêneros literários que eu não leio, como livros eróticos/hot, por escolha pessoal e falta de interesse. Não leio terror também. E não leio diversos outros tipos de obras. Isso significa que os livros não me interessam. Não que eles não prestam para nada, que são inúteis. Muito menos significa que os leitores desses mesmos gêneros são idiotas ou ignorantes.

Eu comecei a ler por causa de um livro que muitas pessoas julgam ser sem conteúdo algum (e que hoje nem desperta mais o meu interesse), que é Crepúsculo. Por causa dessa saga eu me tornei uma leitora voraz em 2011 e desde então não paro mais de ler. Eu posso ter críticas à história, à escrita da autora e muitas outras cosias relacionadas a um livro, mas sem desmerecer a importância da história para outras pessoas - incluindo a própria pessoa que o escreveu.

Ninguém é obrigado a gostar de livro nenhum. E você pode sim ter diversas críticas às obras e até mesmo a um gênero inteiro. Porém, acredito que as suas críticas são reflexões pessoais suas e que o fato de uma pessoa amar algo que você odeia não a torna menos inteligente ou, pior, menos leitora que você.

Com livros aprendemos muitas coisas importantes, aprendemos como interpretar textos, aprendemos um novo vocabulário, aprendemos cultura, visões de mundo, criatividade... Nós precisamos, especialmente, aprender a valorizar a leitura como um fator crucial para a transformação das pessoas. E isso se torna muito dificil quando se faz o desserviço de taxar como ignorante, burro, fútil determinadas pessoas que leem coisas que você não gosta ou que não leem aquilo que você aprecia. 

7 comentários:

  1. Oi, Aléxia!
    Eu já senti muitos olhares tortos com algumas das minhas leituras. Eu gosto muito de erótico/hot/new adult e muitas pessoas não conseguem aceitar isso devido a algumas temáticas. Porém, não leio terror de forma alguma. Mas vou mentir se falar que nunca tive vontade de ler. Já vi algumas resenhas que me fizeram repensar o motivo de eu não gostar de terror hahahaha Acho que isso é o mais importante: eu não leio, mas respeito quem lê e quem escreve.
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  2. Primeiro, livros nos educam. Nunca pensei em ler um livro na vida, até que me interessei (não lembro o motivo) pelo diardi de uma paixão do Nicholas Sparks, li em três dias e desde então nunca parei. Quero criar o hábito de ler para meus filhos, se tiver dicas de site ou algo me diga. E quanto ao preconceito, concordo com você, também não gosto de terror, vampiros, mas não é por isso que acho ignorante quem os lê, cada um tem sua opinião ❤️

    http://sinceramente-le.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Lex! eu amei seu texto, vejo muito isso dentro da faculdade, um querendo ser melhor que o outro tentando se exibir que leu mais ou que leu textos e livros em outras línguas... Esquecemos que um bom leitor não é aquele que leu mais ou que leu determinado tipo de livro, um bom leitor é aquele que sabe apreciar uma leitura absorvendo tudo que o escritor procurou transmitir! um grande beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi Alexia, só posso concordar com vc. Eu fiz Letras e o pessoal super em olhava torto por ler Harry Potter por exemplo. Uma besteira e limitação enorme! Ótimo texto o seu!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oi, Aléxia
    Achei tão legal seu texto porque eu concordo plenamente com você. Uma coisa que vejo é o preconceito com livros eróticos, só porque tem cenas quentes e geralmente os relacionamentos ali retratados são mais baseados em sexo, sendo que todo ser humano faz sexo ou já ficou com alguém só visando sexo. É uma visão hipócrita que as pessoas tem do gênero e isso me deixa enraivecida porque as pessoas falam mal sem conhecer só porque não gostam. Uma coisa é não gostar e respeitar, outra é vomitar lixo nos comentários. Assim como também acho ridículo alguns leitores impor que temos que ler livros clássicos só porque são clássicos, aff. Eu não sou obrigada a ler esse tipo de gênero e ele não faz ninguém melhor que ninguém. E daí se eu não leio Machado de Assis, sou menos leitora que você? É muita gente ridícula mesmo. Eu também vejo isso com série. Tem amigos meus que se acham horrores só porque assistam HIMYM e Frieds, se achando os intelectuais só porque gostam desse tipo de série. É muita gente sem o que fazer mesmo.
    Beijos
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
  6. Eu confesso, eu leio beeem menos do que gostaria. Mas sei que é muito gostoso descobrirmos esses mundos novos. ^^

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  7. Oi Aléxia!

    Que post maravilhoso! Parabéns!

    Leitura acima de tudo, acima de preconceitos e acima de qualquer estereótipo! Ler é um prazer, para alguns é trabalho, mas ler é importante, abre a mente e expande os horizontes.
    Eu entendo que um livro ou um gênero, até a narrativa de um/a autor/a pode não agradar determinado/a leitor/a, mas o livro tem a sua importância e seu significado e acredito que algumas leituras podem não funcionar para determinada pessoa pelo momento.. nem sempre estamos prontos ou nos sentimos confortáveis com algum livro e isso impacta diretamente na nossa opinião e experiência literária.

    É muito triste que exista o julgamento pelo gênero, livro, quantidade, qualidade, autor que se lê... leitura é leitura, não importa como, quando, o quê, onde!

    Adorei o post!

    Beijos
    http://espiraldelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir

BlogsBrasil